Vida que Segue

                 Somos as dores dos ombros que carregam enxadas. Os calos nos dedos. Somos as serras e os machados que cortam madeira. As faces escurecidas pelo carvão que move a fábrica, que move o trem. Madeira e carvão. Café com pão, café com pão. Indivíduos-locomotiva, tordos silenciados, calados com as bocas de arroz e feijão. Um passo atrás do outro, encontrando o sol que entra pelas rachaduras das paredes de gesso da opressão.

_DSC0083.jpg
_DSC0089.jpg